Androginia: a desconstrução do gênero em Alejandra Pizarnik, uma análise da obra Diarios (2013)

Autores

  • MARIA JOSÉ SOUZA LIMA UFPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
  • FRANCIDALVA ARAÚJO REIS UFPA

Palavras-chave:

Palabras-clave: Alejandra Pizarnik. Androginia. Género. Diarios.

Resumo

Tendo em vista a necessidade de contribuir com os escassos trabalhos que abordam a vertente: androginia-literatura, relacionados entre si e a relevância em tratar da luta das mulheres contra os estereótipos patriarcais, tanto em sociedade quanto no âmbito literário. Esta investigação objetiva abordar o carácter andrógino presente na poeta Alejandra Pizarnik, a qual realiza por meio deste elemento uma desconstrução de gênero manifestada em si própria como escritora e como mulher. Assim, o corpus analítico trabalhado será a segunda edição da obra Diarios (2013) em que se retratam determinados momentos da vida de Pizarnik cujos aspectos andróginos se encontram mais evidentes. Deste modo, a presente pesquisa é de carácter qualitativo e tem como suporte teórico autores como Michel Foucault (2005), Flores Depardieu (2017), entre outros. Se buscará evidenciar a aversão que a poeta demonstra aos estereótipos que a sociedade molda para o papel do homem e da mulher, onde rechaça em seu diário as mulheres que aceitam as imposições. Assim, o estilo andrógino de Alejandra Pizarnik constitui em uma forma de resistência às convenções sociais, em uma época na qual a mulher ainda ocupa um espaço de inferioridade tanto em sociedade quanto na literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

MARIA JOSÉ SOUZA LIMA, UFPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

Mestranda no Programa de Pós-Graduação Criatividade e Inovação em Metodologias de Ensino Superior (PPGCIMES- UFPA). Especialista em metodologia do ensino de língua portuguesa e estrangeira pelo Centro Universitário Internacional Uninter -(2015/2017). Graduação em Licenciatura Plena em Letras com habilitação em Língua Espanhola pela Universidade Federal do Pará. Período 2010 até 2014. Participação em um curso de curta duração em ESPANHOL NÍVEL A1 pelo Universia Brasil, Brasil (2012). Participação como voluntária nos projetos de extensão da universidade federal do Pará (UFPA), na cidade de Castanhal - PA, intitulados: Espanhol para fins específicos: espanhol para crianças (2013/2014) e a Avaliação formativa no ensino/aprendizagem de língua espanhola(2015).Tem experiência na área de Letras, ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, para o Ensino-Aprendizagem de espanhol como língua estrangeira, Linguística e estudos relativos a Literatura. Formação de Professores; Ensino e Aprendizagem de Espanhol como Língua estrangeira para brasileiros. Além de professora, tem fascínio pela área de artes, atualmente escreve crônicas, contos, poesias e possui composição musical em língua portuguesa e espanhola. Trabalhou como Professora Substituta na Universidade Federal do Pará - Campus Universitário do Baixo Tocantins / Abaetetuba - no Curso de Licenciatura em Letras / Língua Espanhola da Faculdade de Ciências da Linguagem no período 2018-2020. É também membro perpétuo da Academia Castanhalense de Letras. Obteve em 2020 o primeiro lugar no Prêmio Poetize - Concurso Nacional Novos Poetas da Editora Vivara pela poesia Virgem sem abrigo. Semifinalista do 3º Prêmio Literatura & Fechadura 2020 e no seu trabalho musical foi contemplada no Festival Te Aquieta em Casa -Secretaria de Estado de Cultura (Secult) Governo do Pará, no Festival Te Abicora - Secretaria Municipal de Cultura de Castanhal-PA e no edital nº 011/2020 - credenciamento de artistas para as atividades culturais da fundação cultural do estado do Pará. Selecionada no Edital de Música - lei Aldir Blanc Pará e no Edital de Credenciamento de Projetos Culturais Professor Roberto Marques do Município de Castanhal- PA em 2020. Selecionada para compor a antologia - VII Anuário da Poesia Paraense, edição de 2021, que venceu o Prêmio Eduardo Castro de Literatura, através da Lei Aldir Blanc. Selecionada no credenciamento nº 20/0013-CR para seleção de propostas culturais: incentivo à produção e difusão cultural e ações formativas - SESC/Aldir Blanc 2021.

Publicado

28-07-2022

Como Citar

SOUZA LIMA, M. J., & ARAÚJO REIS, F. (2022). Androginia: a desconstrução do gênero em Alejandra Pizarnik, uma análise da obra Diarios (2013). Revista Abehache, (21). Recuperado de https://revistaabehache.com/ojs/index.php/abehache/article/view/411