Tradução de literatura chicana:

entre pontes, muros e fronteiras.

Autores

  • Cristiano Silva de Barros Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG

Resumo

O povo chicano, forjado no encontro/confronto entre as culturas mexicana e estadunidense, tem em sua literatura um importante instrumento de construção identitária e afirmação sociocultural. Híbrida e mestiça como os sujeitos que a produzem, tal literatura se caracteriza pela fusão cultural, fundante de sua comunidade, que se materializa no uso de uma linguagem múltipla, plural e polifônica. Assim, devido aos elementos e recursos que os compõem, os textos literários chicanos constituem um instigante desafio para os tradutores que desejem enfrentar a tarefa de fazê-los chegar a leitores de diferentes culturas e línguas. A partir dessa constatação, este artigo se baseia nos principais estudos sobre tradução de literatura chicana realizados nos últimos vinte e cinco anos, e delineia a perspectiva teórico-prática predominantemente indicada e defendida por tais estudos, para guiar e orientar a aproximação e o diálogo, via ato tradutório, com os textos multilíngues chicanos, seus autores e sua cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-09-22

Como Citar

Silva de Barros, C. (2020). Tradução de literatura chicana:: entre pontes, muros e fronteiras. Revista Abehache, (17). Recuperado de https://revistaabehache.com/ojs/index.php/abehache/article/view/303