A metodologia colaborativa no estudo de retomada de línguas indígenas brasileiras: uma proposta metodológica e política

Autores

  • Sâmela Ramos da Silva Meirelles Universidade Federal do Amapá

Palavras-chave:

Metodologia colaborativa, Retomada linguística, Povos do Baixo Tapajós

Resumo

O presente trabalho aborda uma proposta metodológica colaborativa no estudo da retomada linguística do Nheengatu protagonizado pelos povos do Baixo Tapajós, no Oeste do Estado do Pará. Partimos do levantamento de pressupostos que fundamentam uma metodologia colaborativa, engajada ética e politicamente com os povos indígenas brasileiros, suas línguas e epistemologias. Em seguida, detalhamos o percurso metodológico que desenvolvemos em nossa pesquisa de campo, enfatizando a produção de conhecimento a partir da ação conjunta de um grupo de pesquisadoras indígenas e não-indígenas. A metodologia colaborativa se apresenta como uma proposta contra-hegemônica, fundamentada na investigação socialmente responsável e comprometida com a transformação e emancipação social, orientada por paradigmas que questionam a produção de conhecimento hegemônico por sua base ideológica hierarquizante, positivista e universalista, e seus métodos de investigar a realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

24-11-2021

Como Citar

Ramos da Silva Meirelles, S. (2021). A metodologia colaborativa no estudo de retomada de línguas indígenas brasileiras: uma proposta metodológica e política. Revista Abehache, (19), 138–156. Recuperado de https://revistaabehache.com/ojs/index.php/abehache/article/view/368